quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Padre Luís (1872/1957) – Que a alegria a paz e o amor permaneçam em vossos corações

Venho deixar palavras de encanto, palavras de amor e deixa-los embalar como as ondas do mar, que embalam e voltam em volta da areia e assim vão embalando como vós vos deixais embalar. A minha presença e de todos que nós aqui nos encontramos, vimos deixar mensagem de amor e de esperança para que vós possais também passar a esperança do amor, da paz, da amizade.
Assim são todas essas palavras que vos dão alento à alma e fazem com que vós possais também dar, são palavras e cânticos de amor que todos nós juntos iremos te deixar, cantando as orações bem alto para que possam ouvir a nossa presença e que possam sentir a todo o momento.

Nós estamos felizes por poder estar convosco e sentir que a nossa presença vos deixam felizes e que nós possamos deixar a mensagem divina e vos deixar embalar pela corrente e pelas ondas do mar, que enrolam para lá e para cá e deixam ficar a brisa com que nos refresca no verão, deixando-nos olhar a vasta imensidão, infinito, é como olhar para as estrelas e deixar-se enrolar com o pensamento e sentir presença de todo este encantamento que nos dá forças para viver, nos sustenta a alma e nos dá esperança de podermos continuar com o amor para poder repartir e semear sementes da vida o espirito precisa das sementes, lhes dá força, energia e nos deixa passar pelos locais onde nós por vezes tanto gostamos de passar.
Felizes, aqueles que em nós acreditam e que nos deixa na sua alma semear a semente divina que um dia ireis colher, saborear. São essas sementes as mais apetecidas, mais difíceis são de as colher, para isso é preciso ter uma boa terra dentro de vós. É assim, é igual quando se deitam as sementes à terra. Se ela for boa produz, senão for boa não produz, também assim é o nosso corpo, se estiver limpo, a alma limpa, tudo o que semeais, colheis, quem não a tiver limpa, semeiam e não conseguem colher, porque restam partes do corpo, não é digna de tais sementes.

Vos deixo a vós, com cuidados redobrados para que tenhais a vossa alma sempre atenta e não se deixem enganar por aqueles que não conseguem cultivar. Será a nossa presença, vos vai continuar a ajudar e a lembrar que deste lado nós estamos todos do vosso lado. Um dia em que todos nós gostamos de vos deixar lembranças que temos para vos deixar. Deixamos a paz, a alegria e a esperança e amor, para partilhar com cânticos de louvor e falar bem alto. Ajuda divina seja e que venham com a luz com todo o brilho, que nos faz lembrar os brilhantes que esses brilhantes sejam de amor, como a luz que vem direita a nós e que essa luz seja dada do alto pelo Pai que nos conduz.
Que a alegria a paz e o amor permaneçam em vossos corações e que a possam distribuir por todos aqueles que a possam ouvir e que nas palavras acreditem e que o amor seja forte e que os faça sentir que a alegria só existe quando todos nós a possamos sentir e olharmos uns para os outros e conseguir sorrir. Tão pouco é preciso para que sejamos felizes, bastam apenas poucas palavras e que essas palavras sejam ouvidas com amor que nos deixam ficar o conforto e que o conforto seja aquele que nos dá a paz à nossa alma.

Somos muitos, sentados na mesma tribuna onde todos nos encontramos, onde todos nós por aqui passamos e que toda esta mensagem, era aquela que nós tinha-mos para vos deixar e sabemos que vamos ficar com muito amor para vós, que de vós muito amor nos será dado com as palavras e vou deixar em nome de todos os irmãos por aqui estamos a passar, deixo-vos ficar com amor, com humildade e com a luz do Pai, vos seja dado a luz da verdade e do amor.
Dizei o vosso nome. Quem sois?

Somos muitos. Todos por aqui têm passado. Deixamos ficar estas palavras sendo de todos nós que aqui nos encontramos ao vosso redor que o Mestre nos autorizou e com as mesmas palavras de amor, são as mesmas que repartimos mais uma vez por todos vós. O meu nome pouco interessa.
Só para o colocar na mensagem.

O importante é estarmos todos. Que nome, tu queres dar se somos todos mas só um está a falar? Serei eu, o meu nome, te vou deixar, estás à espera, eu te digo, é um nome conhecido e por vós muito querido. Eu sou aquele que sempre fui, um grande vosso amigo, eu sou o padre Luís, como eu e muitos mais, neste lado somos todos iguais. Todos que por aqui passam te deixam ficar as palavras para que te alimentem e te deixem, te deem mais forças para que consigas acompanhar quem tanto precisa, como essas sementes que acabam agora de desabrochar.
Elas são os cordeiros, elas são o próximo rebanho, só falta lhe dar força e vocês consigam tudo superar. Eu sou o vosso amigo e vou-vos deixar. Vou seguir o meu caminho e ficar à espera de outro dia vos poder vir falar. Fiquem e que o amor vos acompanhe. Que a minha presença seja lembrada e que eu possa sempre, sempre, vos poder ajudar. (241211)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Padre Luís (1872/1957) – Distribuir faz parte daquele que ama o Pai

Que as minhas palavras sirvam de conforto para todos aqueles que me ouvem. Eu estou perante vós para vos dar a luz e a levar a mensagem a todos aqueles que a queiram ouvir. Tu a conduz e eu a faço sentir a todos por donde ela passa. Aprende a distribuir, só assim eles a podem sentir.
Caminhamos numa situação em que todos irão sofrer um pouco por tudo aquilo que andam a pensar fazer, nada é de temer, porque quem vive está sujeito a todas estas coisas. Assim eu fui permitido dizer, que quem nasceu tem momentos bons e outros momentos menos bons. É a história de vida, assim fui e nunca perdi a esperança até ao dia do meu julgamento espiritual.

Parti e tudo deixei, reparti por todos aqueles que amei, assim fiz com pedaços de pão, que procurava poder distribuir por todos aqueles que mais necessitavam. O pão é o consolo, o aconchego, com ele se pode fazer várias coisas. Basta um bocado de pão para poder satisfazer todos aqueles famintos por mim passavam e eu com um bocado de pão conseguia satisfazer e dar-lhes a todos aqueles que me procuravam nos tempos mais difíceis. Distribuir faz parte daquele que ama o Pai.
Eu sentado na minha cama, olhando para o Pai, perguntava muitas vezes o que teria hoje que fazer, quando acordava nada tinha, quando saía aquela porta dizia: Pai! Ajuda-me, eu preciso de ter para distribuir mesmo que só tenha um pão. O pão é fartura, o pão nos dá a vida e o pão nos ensina como partilhar.

Assim eu faço neste momento, reparto por todos vós o meu alimento igual ao que repartia quando me encontrava como vós. Neste lado, continuo a repartir a todos aqueles que em mim acreditam e me queiram ouvir. Reparto as palavras, afeto, humildade, amor e caridade, é tudo que eu posso dar e distribuir, por todos esses famintos.
Até agora falei a distribuição do pão, agora falo sobre da distribuição do amor, das palavras, de tudo aquilo que eu posso dar, para consolar a todos estes famintos, são muitos de mãos postas a pedir, mas poucos são aqueles que sabem ouvir e poucos são aqueles por quem nós possamos repartir. Como vês, repartir o pão muitas das vezes se torna mais fácil, mas repartir o amor, a fé, é muito mais difícil. A fé nasce connosco, o pão faz-se e reparte-se sem saber aquém, a fé não é igual, tem que ser repartida por aqueles que amam, por aqueles que acreditam, por aqueles que têm fé.

Com o tempo podemos ir ganhando e podemos ficar a saber que muitos daqueles que não acreditam, há um ou outro, vai passando, vai passando a acreditar. É muito bom saber que há pessoas que vão contemplando todas as nossas palavras que vou deixando. São tempos que já lá vão, mas gosto ainda deles falar, não deixar esquecer a quantos eu ajudei a crescer e que ainda hoje lembram de quem os educou, de quem os ensinou a amar e lhes deu forças a todos eles, para poderem caminhar e seguir em frente até ao dia que o Pai os chamar.
Somos todos pessoas de bem, desde que nos saibamos comportar como tal. Escrevendo e deixando ficar a todos é um sentimento de amor para todos aqueles que à vossa volta estão e partilhar com eles amor e fé e a dignidade para que cresçam, se façam pessoas para o futuro poderem dar e deixarem ficar como vós o fazeis. Deixai vir a mim como o Pai o disse, todas as crianças. Por elas era passada a fonte da vida, a esperança. Por elas caminhamos em linha reta, são elas que nos ensinam, são elas que nos vão dando forças para caminhar.

Presença do Pai nos dá presença do Pai, que nos ensina verdade, dá-nos a luz e dá-nos tudo de bom àqueles que o merecem e que por Ele tudo fazem para que possamos caminhar e pedir-lhe em voz alta ao Pai que nos ajude, só assim seremos ouvidos e ensinados a caminhar em direção correta.
Caminhai, ajudai, como vós tendes sido ajudados. Pediste e recebeste. Que esta mensagem sirva de conforto para todos vós. Vieste à minha pequena casa, hoje me encontro na tua.
Amanhã ou depois encontrarei noutro lugar, que desejado por ti, foi-te dado, encontrado o local de poderes orar, orar. Guardai as palavras e sereis ajudado e abençoado. Que o Pai vos proteja. Eu ficarei sempre do vosso lado. Padre Luís (111211)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

S. Francisco de Assis – Todos os lugares por donde passei são o meu lugar

Aqui nos deixaram em vão, sepultados nestas muralhas, onde ainda hoje nos encontramos à volta com muita dor, por tudo aquilo que aí deixaram, não conseguimos dar o nosso melhor porque outros nos interrompe, assim deixamos ficar a quem nos entende, que a dor é mais forte do que todo o nosso pesadelo, pesadelo que ainda sentimos de tudo quanto tudo nos fazem, deixando ficar aqui a maldade que nos faz a nós sofrer mesmo sabendo que deste lado encontraríamos a paz se assim nos compreendessem e nos deixassem seguir o caminho que tanto esperamos, mas não, interrompem a cada momento e a cada momento que passa nos deixam sempre mágoas de nos lembrar e fazer lembrar aos outros aquilo que por tudo passamos.

Deixai irmãos passar, o tempo assim o dirá, mas vós ficais sempre a pensar no mesmo por que razão, tudo isto foi feito agora, tereis de obter a resposta onde a conseguis encontrar quanto tudo é alheio a este momento. Os tempos mudam e a esperança de encontrar também, apenas restam bocados da alma que nos fazem reter e lembrar o passado e o momento que ainda vem.

Assim escreveu e deixou ficar o nosso mestre, sepultado também, neste momento escrito no pergaminho só a ele pertence, S. Francisco de Assis. Era o mestre, era o professor dos pobres e era o médico daqueles que não podiam, assim com a sua fé ele conseguiu sim, ultrapassar a todos aqueles que lhe queriam mal, moveu vales e montanhas e deixou sempre ficar aqueles que ainda hoje o perseguem com o mau pensamento.

As palavras que ele escreveu todas elas se encontram em vários livros. Aqueles que as entendem lêem, os outros apenas lêem só aqueles nomes grandes e deixam ficar os maiores momentos da vida dele e os grandes artigos, mas mesmo para aqueles que entendem, apenas resta lembrar que as palavras são todas escritas e pensadas, todas elas poderão ser entendidas mas não compreendidas, assim nós possamos lembrar que S. Francisco deixou ficar a todos a história dele para que possamos seguir o caminho da fé e da verdade e com ele conseguimos seguir um caminho não da maldade, mas sim mover a todos a esperança de chegar e que um dia esse dia vai voltar a ser o mesmo como era no tempo em que ele nos deixou ficar.

Cruzadas, batalhas ele travou com momentos difíceis da vida dele, mas assim ele nunca deixou nem nunca deixará mudar, a presença dele seria sempre uma presença constante para todos aqueles que tenham a fé, segui os meus passos que eu vos deixo com muito amor e com muita devoção por todos os momentos que vós procurais, vos façais sentir que da vossa parte teremos sempre um bom momento de oração por vós onde quer que estais nos façais sentir que a dor será menos quando vós nos consigam traduzir aos outros as palavras que nós daqui vos passamos e que vós as consigais sentir.

Palavras são estas, não são fáceis de entender, mas para todos aqueles que as queiram entender, são palavras de sofrimento, as palavras que nos faz renascer. O momento é triste, é um momento de angústia, mas é um momento tão feliz que nós com tudo aquilo que vós consigueis nos dar, nós assim também conseguimos ultrapassar e daqui com os nossos olhos da alma nós vamos fazer com que vós consigais passar e ultrapassar momentos difíceis. Julgar é fácil, mas resolver é muito mais difícil, nunca julgar os outros e quem julgará a vós? Que a nossa presença seja constante e que a vossa alma consiga absorver tudo nos resta de bom e deixai-nos ficar a oração que o Pai nos ensinou para que nós possamos fazer como S. Francisco nos ensinou. Que a oração seja aceite por nós, por vós e que nós possamos dar os pequenos passos para que vós possais caminhar.

Caminhai e nunca desistais da vida como ela deve nada. Que a esperança divina vos ilumine e que o amor por nós seja aquele que nós tanto vos desejamos, que vós conseguis semear e colher os frutos da bênção divina. Francisco de Assis, assim me deixou e mencionou que o amor é eterno e que a maldade, de nada me serve. Abençoai-vos uns aos outros como nós vos queremos deixar que vos abençoe. Assim o Pai nos vai ajudar e com a vossa oração nós nos vamos retirar. Que este lugar sirva de bênção e que essa bênção seja aquela que vos acompanha e que a deixe chegar ao vosso pensamento da alma aonde vós quereis chegar. Que a oração seja aquela, nós possamos distribuir, assim como o Pai fez distribuir um bocado por cada um e que esse bocado de cada um seja aquele bocado que se vai distribuir por todos aqueles que nos queiram ouvir. O Pai nos abençoe. Chegou a hora e o momento de vos deixar e vamos assim caminhar e partir para o nosso lugar. Francisco de Assis. O Pai nos acompanhe e que o amor nunca o possais esquecer.

(…) Caminhei por vários lugares e por eles deixei ficar um bocado de mim e a lembrança resta em todos, todos os lugares por donde passei são o meu lugar.

(…) Terras de cavaleiros e terras de malfeitores, onde não me entendiam. Que assim se tornou a minha vida num pesadelo, partindo, regressando e não podendo mais voltar. Minha alma vem a qualquer lugar, desde que mereçam a minha presença e desde que saibam entender que a alma resta, e que a alma nos pode fazer, é viver, e eu quero deixar ficar que a minha alma está presente em qualquer lugar, como disse aonde a fé seja forte, entendimento da alma esteja sempre presente como me encontro convosco neste lugar. Vamos partir e vamos deixar-vos ficar. (261111)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Padre Moura (1839/1887) – A árvore da vida é aquela que nos dá bons frutos

Assim vos deixo. Assim vos deixo este manjar de palavras, para que possam dar aos outros a podê-las saborear. Assim escrevo e assim falo para todos aqueles que as queiram ouvir. É um consolo da alma, aquilo que eu posso convosco repartir, que as minhas palavras sirvam para vos ajudar e vos deixar contemplar as graça de saber e a história da vida que ainda falta muito para que vós a possais, toda essa história conhecer.

Vos dou pouco a pouco e assim se começa a aprender. Com inocência e com sabedoria e com amor e com verdade, vós começais a entender que a força da alma serve sim, para nos ajudar. Fortalece, nos dá esperança de continuar, poder viver. Assim foi todo o meu tempo, repartir com os outros aquilo que me davam, sabedoria, a fé e explicar a todos aqueles que me queriam ouvir e que se sentavam à minha frente para eu os poder ver e com palavras curtas mas diretas, eu conseguia a todos eles chegar.
Visitas, me fazes e viestes já ao meu local onde a mudança foi enorme e se tornou num local mais acolhedor, substituído por outros, aonde me deixam chegar mais amor, calor das almas e poder ouvir e os ajudar. O teu pensamento está virado para mim, não confundas, eu sou o padre Moura, aquele que te ouve e aquele que também te ajuda. Semeia e colhes. A árvore da vida é aquela que nos dá bons frutos.

Semear é ver crescer, faz parte da natureza, assim eu semeio palavra após palavra e consigo fazer com que possais crescer melhor. (201111)        

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Padre Luís (1872/1957) – A fonte

A fonte! A fonte nos dá água, aquela que todos nós precisamos para beber, nos dá força e nos deixa percorrer pelos caminhos que eu um dia tracejei e por eles todos caminhei. Caminhos esses me foram mostrados para que eu pudesse por eles passar, mostrar a todos o quanto eu gostava de todos eles.

É assim que todos nós devemos caminhar, ajudando-nos uns aos outros para podermos um dia todos nós nos encontrar. Nós somos aqueles que vós visitais, muitas das vezes por nós também passais, falais e vos ouvimos.

Atchim… está frio! E assim foi com frio a minha partida. Vou continuar sereno, para poder dar o meu testemunho para que possais passa-lo a todos quase todos os cantos do mundo. A nobreza só se tem quando nós por ela alguma coisa fazemos, através da oração, do amor e da dedicação a todas as coisas que amamos, somos então o mensageiro da verdade, aquele que provai que ando, que vos vai ensinando por donde percorrer e vos dá a luz, vos dá esperança de vós com pequenas coisas poderdes renascer.
A felicidade é aquela que vós tanto desejais, andar e ver crescer. E a terra vos damos para que tudo isso vós possais ver. Crescei e dai aos outros a forma neles também poderem crescer, ensinai-os a amar, ensinai-os a gostar das pequenas coisas que a vida tem e que nos dá e nos continuam a dar, coisa tão simples, mas são aquelas que mais encanto e mais força vos podem dar.
Abraçai a natureza, ela transmita a paz, uma emoção tão forte que nos aquece e a vós também vos dá aquela paz de espirito que tanto precisais. Palavras mais palavras por vezes elas falham, olhando para a natureza se abre o caminho e ele olha por vós, assim eu vim porque me chamaste e me tens falado e contado e mostrado, contado e mostrado, o teu sentimento de nobreza. Falas, falas comigo, eu te oiço, te oiço, te dou uma palavra de conforto para que possas sempre sentir a minha força e a minha energia e saberes que estou do teu lado.
Eu e não só, muitos mais que aqui nos encontramos deste lado, te damos as palavras que procuras, te damos sim energia que precisas e te mostramos aquilo que gostas, que te dá vida, assim vais continuar a percorreres o teu caminho e amar e a nós serás sempre bem vindo. Eu sou, padre Luís. (061111)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Fernando Pessoa – Tudo é bom e tudo é puro quando a nossa alma pura se encontra

Sinto que estás aqui presente para falar, e contar todas aquelas caminhadas por donde passaste e o que fizeste, serão lembradas por todos nós e passadas para que os outros possam ver que do outro lado espiritual nos podem falar, nos podem ensinar, nos podem fazer ver as coisas que todos gostam, mais tarde servem para comentar e ver que as pessoas conseguem deixar ficar e passar aos outros comentários que em tempos remotos por donde passei e caminhei, haviam grandes esperanças ainda de encontrar coisas maravilhosas que ficaram por falar e dizer todos nós nos amamos e continuamos a amar sermos capazes de deixar divulgar mensagens essas que nós acabamos todos juntos comentar, falamos uns com os outros e que as possamos todos divulgar.

Certos tempos que já lá vão, países distantes por donde caminhei e passei, como navegador me tornei, sou um homem de palavra, fui um homem de bem, um homem que escreveu e que deixou ficar mensagens que a todos ainda hoje convém, com elas tenham, com elas discutem e com elas sabem que podem fazer coisas de ensinamento, obras deixei, obras vão continuar a fazer com novos instrumentos que encontram em certos sítios de pesquisa e que as divulgam. Serão capazes, eles, de fazer outra obra semelhante àquela que eu deixei e que escrevi? Não conseguem, porque a razão não os deixa apenas são instrumentos querem utilizar e aonde está a sabedoria que eu tanto fiz para que pudesse ser a pessoa que me tornei, o homem mais ou menos feliz, mas sim, consegui mesmo na escuridão fazer coisas que eram proibidas no tempo de então.
Outrora, lembrando sempre a terras de São Julião, o conquistador que por elas passou, terras distantes alheias que muitos lutaram por elas e assim se tornaram os donos, consegui sim também ver tudo isso e sobre isso escrever, deixar as mensagens que todos os consigam ver e ler. Agora só resta mesmo é deixar novamente outra mensagem aonde consigam ver que a minha presença existe em todas aquelas palavras que eu vou deixando, para que as possam escrever e com elas fazer entender que por muito que façam, estejam ainda muito mais por fazer, não é tão simples quanto pensam que falar como eu falo e dizer que a voz só têm, quando conseguem falar comigo e os deixar entender que a minha presença é tão forte naquilo que eu dou, e naquilo que faço, para que consigam, me ver, eu dou a ler.

Eu escrevo esta mensagem para vós que me estais a ouvir e a possais dar a ver e a ler a todos aqueles que queiram e ainda tenham fé, que deste lado espiritual isso existe e eu consigo chegar a todos aqueles que ainda acreditam.
São Julião, foi um homem forte daquela nação, aonde transgrediu, também fez coisas menos boas, mas uma energia forte o levou e aonde se foi purificando no tempo e assim cá estamos e relembrar a nossa história para que possamos dar a história verdadeira de todos os escritos, de todos os livros, de tudo que está a ser divulgado, encontrem sempre alguma palavra diferente, onde possam o sentir, a minha presença, e o amor, e a força positiva, seja a roda, o círculo, e a seta, o indicador, na vossa força.

Nem só de poemas vive o homem, mas uma boa conversa faz-nos bem, dá-nos força, dá-nos energia, e nos dá também amizade verdadeira, onde nos sentimos bem, aonde conquistamos os nossos tempos perdidos. Fiz muitas coisas e deixei muitas por fazer, aos bocados estou a reparar algumas dessas coisas. Tudo é bom e tudo é puro quando a nossa alma pura se encontra. Poemas, mais poemas, assim fiquei conhecido pelo poeta, astrólogo, e outras coisas mais, foi a herança que me deixaram ficar, a herança de um menino exemplar, que sofreu tornando-se homem. Amo e continuo a amar. Eu sou Fernando Pessoa.

Falai de Julião!

Julião, São Julião, seu nome, sua passagem só numa nação ficou escrito, nos tempos de então, que bandeira erguida se tornou famosa em terras longínquas, Angola seu nome. Foi-lhe dada luta e a batalha por ela, onde ele trabalhou, onde tudo fez, aonde veio e é lembrado depois de então, em muitos países, e numa aldeia bem pequena se lhe dão o nome de Julião.
Fugido veio, para ajudar os outros que nele depositaram confiança. Era um mestre da força da fé. Seu nome por muitos é lembrado, por aqueles que acreditam, e passou, e deixou ficar aldeias, a sua imagem de fé. São Julião em serras Fermil, batalhas travou e por terras, muitas terras, ele conquistou.

Uma delas aonde o seu nome ficou, por ali ele andou mais tempo, ele conseguiu dar e deixar lá ficar ainda sementes dos tempos de outrora, Aveiro foi o seu trono, onde ficou, aonde suas cinzas deixou. Foi o reconquistador e foi o homem de luta, sofrimento, torturas, mas conseguiu chegar aos outros com a sua mensagem, com a sua dor e dele entender que ajuda, fé e a caridade.
Com todas essas palavras de fé, nos podem ajudar a conquistar a batalha que tens pela frente, dura, ardente, de dor, é semelhante, algumas delas que eu consegui ultrapassar com a minha fé. E com todos os pedidos que têm chegado, nós vamos-te ajudar a ultrapassares, e a tua esperança seja forte e consigas mante-la sempre no bom lugar.

Te é dada a força, te é dado o amor. Tudo é feito como aquilo que fazes e dás com amor. Que a fé te siga e nunca abandones e que o amor te torne mais fiel àqueles que amas. Serás amado, protegido por palavras tão pequenas e tão simples, com as palavras que vais ouvindo nos dias, todos os dias, ao acordar. Assim sejas ajudado e nós continuamos por vós a orar. (231011)             

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Joana de Ângelis – Vou deixar esta canção para ti

Vou deixar esta canção para ti, lembrando esta ao lado.
Todos nós somos irmãos
Deixamos ficar um almoço celeste
Uni-vos e dai todas as vossas mãos  
Joana de Ângelis canta canções de purificação para a alma. Entrego a voz com palavras e carinho.

Segui a esperança que é divina
Entregai com o amor que vos deixo
É a força que o mestre sempre nos dá

Partir. Regressar ao meu lugar, encontrar com todos que aqui estão, somos muitos mas unidos vamos ficar, enviarmos a luz que vos une, partiu e no seu manto branco ela subiu, entregando-se aos outros e levando com ela a oração, para que possam todos ficar a orar e com ela a nós possamos aprender.
Nem só quem escreve é que tem esse direito, mesmo aqueles que se julgam analfabetos, têm uma mente por vezes mais poderosa do que os grandes sábios, grandes senhores.
Vamos pedir para que possamos os ouvir e vou passar para o outro lado, e com a luz que vos deixo é com aquela mesma que eu vou subir. Sou a Joana de Ângelis, continuo a vos querer ouvir a oração convosco, reparti. Orai para que eu possa ouvir e subir, subir no meu manto de luz. Joana de Ângelis. (2.091011)

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Joana de Ângelis – Rosas belas eu tinha no meu quintal

Rosas! Rosas belas, eu tinha no meu quintal. Até rosas belas eu tinha no meu quintal, eram tão belas que com elas eu aprendia a falar. Na primavera o cheiro era tão intenso. Com as rosas, as cores, a beleza, a pureza das flores, foi com aquela com que eu parti e deixei ficar grandes amores.
Amores! Esses onde eu estava agarrada a dar a conhecer e a semear, com a escrita eu ia deixando. Ficou escrito em alguns livros que eu fui escrevendo, alguns deixei e outros ainda ficaram, parti com recordações e querer sempre a dar aos outros ensinamento, por eles eu consigo deixar, passar algumas obras, eu vou deixando para que outros as possam continuar. Vou deixando ficar palavras que possam dar a conhecer aos outros aquilo que eu fui.

E mesmo partindo continuo a dar um bocado de mim para que possam continuar sempre com o pensamento das coisas que a vida nos dá, que são boas quando soubermos aproveitar, mesmo aquelas que são menos boas, nunca nos devemos, nos devemos lembrar e nem passar aos outros o pensamento das angústias.
Nós muitas das vezes tentamos passar, lembrai-vos sim das coisas boas que tens e continuas a dar, o amor que te deixaram e recordações daqueles que te amaram. Muitas das vezes não queremos nem lembrar para que as recordações não nos magoem. Mas assim a vida é composta de todas essas coisas que vamos tentando falar, magoar magoam mas é bom, para que possamos recordar os momentos que tivemos e aqueles que por agora passamos.

Altura celeste de falarmos no jardim, onde as rosas se abriam e olhavam para mim, são rosas essas cheias de espinhos, mas que eu consegui ultrapassar com a lembrança que vos deixo e tanto amor eu tenho para vos dar.
Sou aquela que sempre amou e partiu a amar. Deixei ficar tudo para trás mas por amor ao Pai me encontro neste belo lugar, que a minha alma vos purifique e que o meu amor vos consiga abraçar com as minhas palavras eu vos deixo e vou ao Pai regressar.

Minha obra, tu tens, algumas coisas escritas e outras ditas por mim a pessoas que me conseguem ouvir. Vou deixando algumas palavras e vou deixando que vós as possais distribuir. Eu sou aquela que muitas das vezes passa despercebida ao vosso lado, mas vos dá força, aconchego, e vos liberta a alma dos maus pensamentos, e vos leva a seguir o caminho do bem até onde as cores brilham.
O sol vos dá luz, luz aquece, nos protege, nos ilumina a alma e a força, nos vitamina e nos purifica e dá beleza, como a todas as rosas, seja ela a cor que for, somos nós todos, uma parte da natureza. Semeai e colhei, deixai crescer e aproveitai as rosas que vos dão, para que as possais semear e um dia as poderdes colherdes. Colhei e senti essa força da natureza, onde uns as rejeitam, mas vós procurai o que aí colheis, a verdadeira pureza.

Perguntaste-me quem eu sou, eu vou responder com a alegria que sinto e sei que me estás a ouvir e a obra vai chegar e testar aqueles que não querem acreditar, mas por algumas palavras eles vão sentir. Sou eu, Joana de Ângelis que estou a falar, dai testemunho e deixai-as ficar a pensar. Pensar é livre, e amar só ama quem tem amor e quem acredita que o Pai está sempre do nosso lado, por todos aqueles que o amam. Ele é o nosso maior poderoso amor. Joana de Ângelis vos deixa ficar com a paz envolvida num manto de amor. (091011)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Delfina - Mesmo te embalando não te deixes adormecer

Não te deixes levar pelo ódio, deixa-te embalar pelo amor. Nunca percas a noção daquilo que sempre tens feito. Segue sempre na direção do bem e deixa-te levar pelos bons pensamentos, porque todos nós estamos prontos a te ajudar, deixa-te embalar, como quando eu te embalava. De pequeno te tornaste no homem que és. Deixa seguir como tens feito até agora, ama e serás amado.
Que o Pai te dê aquilo que tanto desejas. Liberta-te do pesadelo e deixa com que todos nós te possamos ajudar. Oremos para que nós possamos continuar o nosso trabalho, que é duro, mas vai valer a pena. Estamos neste lugar aonde muitas das vezes caminhas, libertas a tua alma, todo o sofrimento. Mesmo com lágrimas tenho visto e não precisas de estar a sofrer. Sofre, liberta, adorava sim, continuar connosco do teu lado, poderes caminhar mais uma vez e eu continuar a embalar como sempre fiz, não adormeças.

Mesmo te embalando não te deixes adormecer, atento, deves estar em tudo. Só assim vais conseguir ultrapassar e seguir em paz, com humildade, com amor e que nós vos damos a segurança que precisas e a paz, e a força para te acompanhar a poderes caminhar e não te deixar tropeçar.
Meu filho te deixo ficar e te vou continuar a embalar, embala, embala, mas não te deixes mais uma vez adormecer. Olha para mim, estou atrás de ti, caminhos de bênçãos te guie no caminho da paz. Delfina. (250911) 

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Verdade – É um tempo das vindimas

Tantas guerras, tantas guerras, tantas guerras travam. Tantas guerras é! Tantas guerras travam. Estou a ver, tantas guerras travam, batalhas atrás de batalha. Tantos inocentes sofrem por uns motivos que não correspondem a tanto sofrimento. É uma loucura ver como as pessoas são egoístas. Só trabalham em função da maldade, do egoísmo, da ruindade. Batalha se vai travar, uma batalha sem ser necessário. Terás que pedir muito e orar para que tudo seja ultrapassado, e nada te possam levar.

Angústia do sofrimento por aquela que tens passado e fazem passar ainda está longe de terminar. São batalhas, batalhas do povo, desse povo, esse povo que nada sabem, mas que tudo querem e pensam que a sabedoria só a eles lhes pertencem, sim, só a sabedoria da maldade, só essa lhes ocorre, e onde está a verdade? A verdade sois vós que a tendes que procurar, tentai-vos ajudar como nós vos ajudamos para que possais regressar.
Depois de tudo terminar que vos seja dado as forças, a coragem, para vós poderdes novamente caminhar e andar sem nessas misérias pensar. Lembrai-vos que neste lugar, nós vos conseguimos acompanhar e vos dar as forças que precisais, as forças de ajuda. O acompanhamento vos damos e nós vos conseguimos daqui ver, enquanto vós com a vossa humildade conseguis passar e conseguis caminhar e ajudar os outros com tantas batalhas, com tanta angústia, e com tanto ódio conseguem andar, sim, mas é atropelando todos os que lhes passam pela frente. Atropelar não é só acidente, atropelar em palavras e maldade, também é considerado acidente.

É um tempo das vindimas, que todos gostam de vindimar, tudo gosta de ver e como é saboroso apanhar cacho por cacho, logo pois se torna num líquido apetecível e tudo tem um começo e tem um fim, enquanto há uvas se apanham e quando tudo vindimado tudo termina, deixem os andar, deixem pensar que as vindimas deles ainda estão a começar, as vossas tentai-as guardar tudo o que é vosso para não as conseguirem levar, que vindimem os lugares onde podem vindimar.
Na vossa considerada uma quinta celeste, não os deixem vindimar. Vamos orar para que eu possa vos ajudar e levar ao Pai a oração que nos acompanha a cada momento. Nós oramos, nos juntamos e pedimos por vós.

Seja dada a força. Seja vos dada a coragem que vós tanto precisais. Uni-vos com a força que o Pai vos deixa ficar. E assim irmãos, vós toda essa batalha ides consegui-la ultrapassar. Levai tudo como deveis levar e que o Pai vos acompanhe e nós prontos a vos ajudar. O Pai fique convosco. É isso que nós vos desejamos. Eu sou a Verdade. A Verdade, Ajuda e Humildade. Vou partir para o meu lugar de acolhimento. (110911)

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Pai Américo – Ajuda os outros que te amam e serás abençoado

Que alegria! Vocês me terem vindo visitar, o amor é grande. Tão grande que não é fácil o poder alcançar, mas quem o alcança, de mim gosta, eu deixo aqui ficar, espalho por todos, igual. Uns conseguem o alcançar, os que não conseguem, com a vossa ajuda, nós vamos conseguir os ajudar.
A roda anda e desanda e leva o amor para quem o poder apanhar. Quando desanda, voltamos ao mesmo, acreditem ou não, nada é fácil, voltamos a ter e a precisar da ajuda que todos nós a podemos dar e a levar a todos aqueles que a queiram entender. Que a palavra do Senhor e do saber, aquele que nos ajuda, aquele que nos ilumina, que nos dá sabedoria e aquele que muitas das vezes nos deixa e nos retira o sofrimento, sofrimento da alma e sofrimento da carne.
Os dois são diferentes, os da alma temos que a purificar, o da carne é tratado, mas cada um tem o seu lugar, olhando pelos dois, estando os dois no mesmo nível, pois assim nós nos podemos entender melhor e podemos melhor com os outros falar. Pediste ajuda e tens pedido e é contigo que eu quero falar. Não desanimes irmão, porque o lado bom também vai chegar, a tua fé, o teu amor, a tua coragem, a tua persistência em tudo que fases terás sempre o teu auxílio. Não te deixamos nem te abandonamos, segue em paz e eu e todos os nossos irmãos, com a mesma paz, é aquela com que te ajudamos.
Que o amor do Pai te ajude e que tu possas receber toda a divindade que te damos. O teu merecimento seja aquele que tu mereces e que respeites como tens respeitado. Ajuda, não te deixes levar por aqueles que tanto mal te querem fazer, mas há outros que na presença de ajuda, são humildes, nada têm, mas têm amor para te dar. Ajuda esses e leva-os sim pelos caminhos, sempre pela corrente daquela que é a sabedoria e a nossa presença e a nossa força e a coragem que te damos. Essa coragem nos é dada do Alto, pelo nome que tanto chamas, é o Pai, Jesus, nosso Senhor.
Ajuda-te e serás ajudado. Ajuda os outros que te amam e serás abençoado. Nunca desistas de pedir. O teu lado bom é aquele que te ajuda, é aquele que te anima, que te dá força e esperança e que tem amor para repartir e te dá assim a coragem de muitas vezes aqui pedires, vem e que a paz que te trouxe seja a mesma que te acompanhe, vai em paz irmão e sejas acompanhado por nós. Pai Américo. (280811)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Padre Luís (1872/1957) – Dar e semear aquilo que nós vos deixamos

Aqui estou eu na vossa presença queridos amigos. Mais uma visita vos faço e deixo ficar palavras de grande pureza e atrás delas está a nobreza. Não desistam e façam delas palavras que são ditas para poderem passar a todos aqueles que as queiram ouvir e escrever. São palavras de quem sofreu e não gosta de ver sofrer. Nem tudo posso fazer, mas ajudo aqueles quem em mim ainda acreditam. Eu estou neste lado para poder dar aquilo que nunca souberam dar, o amor, a ternura e ajudar a segurar aqueles que muitas das vezes andam às escuras.
Alegrai-vos e ouvi aquilo que me sai da alma. São palavras do amor e palavras de ajuda para todos os que me escutam. Vós, eu sei que acreditais e ajudais a que os outros o façam. Nunca vos arrependeis de dar e semear aquilo que nós vos deixamos, para que possais semear. É como o milho, se deita à terra e nasce forte e dele é feito o pão para distribuir. Todos até podemos dizer, uma grande nação, todos o comem, é o alimento primeiro, é aquele que nos dão, se nós o podermos comer, conseguimos também que com ele mais fortes ficar e viver. Assim a nossa alma também precisa de comer para podermos estar sempre presentes, ajudar e a vos contactar, vos poder ver. É o pão que nós precisamos, não de comer esse pão, mas precisamos da oração e de acreditar que vós também acreditais, de sentir que nos amais e a vossa presença é aquela que nós estamos sempre neste lado à espera de ouvir as vossas orações, são aquelas que nos unem, aquelas que nos fazem dar a força aos outros para que nós possamos com elas alcançar a paz que precisamos e distribui-la por todos aqueles que precisam.
Passasteis à minha porta e eu vos atendi, deixei-vos partir com amor, com o mesmo que os vossos olhos me deixaram, eu sorri e vocês partiram. Hoje vim para vos dar força e animo para conseguirmos passar todos os maus momentos que tendes passado e continuais a passar. Irmão, as vossas cabeças levantai-as ao alto e pedi ao Pai que nos ajude a poder aguentar com todas as indelicadezas que os outros pensam, sorri sem olhar para trás e nunca deixem abater. As forças são fortes e a nossa corrente vos ajuda a poder ultrapassar a todos os males que vos querem. Segui e não desanimem, porque a força é tão forte e o amor também. São forças que nós vos deixamos e vamos vos deixar para que possam orar e pedir para que sejais abençoados e olhai por quem tendes olhado, é a corrente mais pura que podeis deixar para que um dia deste lado elas nos possam dar aquilo que vós nos tendes dado, é seguir o mesmo caminho que vós seguis.
A presença foi boa de as sentir, é de pequeno que nós começamos a seguir e a sorrir e a ter fé, nós vos damos todas as forças para que vós consigais dar a quem tanto precisa de ser ajudado e ensinar a caminhar pelos caminhos que vós também tendes andado. Dai um pouco de vós a quem vos acredita e dai a força de seguir em frente com os mesmos passos dessas pequenitas. Um dia irão ficar para nos poder falar, para que nós possamos dar e repartir, para que elas o possam continuar a fazer como vós o tendes feito. Assim vou partir e vos deixar ficar com o amor que sempre vos tenho dado. É o mesmo amor que vos deixo e o amor que levo de vós. A oração que me dais e a paz com que caminhais. Caminhem pelo mesmo caminho que têm caminhado. Eu sou o Padre Luís. (210811)       

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Padre Luís (1872/1957) – Todos nós precisamos do amor que nos dão

Todos nós precisamos do amor que nos dão e nós gostamos, o amor em oração. Vieste orar e nós te acompanhamos. Dar um pouco daquilo que vos damos. A oração é partilhada por todos nós que aqui nos encontramos. Com amor que vos damos e a paz que levamos, ide em paz e nós vos acompanhamos. Luís (090811)

Bernardino – Amor é divino e sofrimento é dor

Eu estou aqui e aventurados sejam todos aqueles que os acompanharam até aqui. Segui sem arrependimento, que o vosso tempo seja dado como um tempo útil por todos aqueles que vós tanto quereis.
Irás passar momentos não muito agradáveis, mas tem esperança e a luz divina volta a estar contigo. Ora e serás acompanhado. Vão em paz e serão ajudados, mesmo não querendo que o sejais, mas nós que somos fortes, estamos sempre aonde vocês estais.
Eu sou teu pai, Bernardino, que me deixaram vir até junto de vós, me abriram o caminho, me deixaram passar e te deixar ficar a luz para que possas continuar a caminhar. Caminha meu filho, não te deixes atormentar, não merecem o sofrimento, caminha e ora. Irás ver mais tarde, que essa luz que te ilumina.
Irão sentir que a maldade de nada serve quando se tem um caminho a seguir. Com todos nós deste lado a ajudar para que possas seguir com a luz que segues e consigas fazer o que tens feito, distribuir por aqueles que ainda têm preconceito.
Utiliza sempre as tuas palavras e não te deixes enganar. O amor ajuda a que tudo se consiga suportar. Perdoar, perdoamos, esquecer é mais difícil. Lembrar também é bom, e vermos que deste lado nos fizeram sofrer. De uma outra forma também estão a sofrer.
Não fico contente por ver sofrer como vejo, mas pelo menos é uma forma de lhes fazer sentir. Amor é divino e sofrimento é dor. E vamos pedir por eles para que consigam ter pelo menos o menos sofrimento e mesmo assim lhes retirando um pouco de tanta dor.
Orgulho de nada serve, só os atormenta muito mais, te tens lembrado e tens falado e nada tens em troca. É o orgulho, não deixa, mas vamos orar e fazê-los pensar que só sabedoria de nada serve quando temos ainda muito para aprender e muito ainda para orar e pedir perdão por tudo que até agora não conseguiram fazer.
Vai chegar o momento do arrependimento em que perdoar será a primeira das coisas que irão fazer. É o perdão, sem ele não vão conseguir viver. (060811)

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

São Torcato – Sempre que vós o possais lembrai-vos deste lugar


Que o raio de luz vos acompanhe e que a minha presença seja notada por vós. Que as minhas palavras sejam aceites e vós as consigais entender. São palavras que ficam escritas como no grande livro da sabedoria aonde as podeis encontrar e as divulgar. Sou eu que as vos estou a dar e ensinar para que vós possais passar e distribuir toda esta mensagem que eu vos deixo ficar. Seguis como sempre tendes seguido o caminho que eu vos deixo é um caminho de liberdade, de respeito, de amor e que vós o consigais seguir com o mesmo respeito que o tendes feito até este momento. Nunca seja feito sem amor, nem arrependimento. São o momento, as palavras, o conforto que vos faz retirar a dor e o sofrimento. Passai, andai e caminhai. O caminho se abre e por ele podeis passar.
Sempre que vós o possais lembrai-vos deste lugar, o lugar onde me encontro e um lugar onde me foi dado para que me viessem aqui buscar. Deixei ficar um sinal, a água da vida, onde podeis ver e também a consigais distribuir por aqueles que a consigam e a queiram beber. Não é ela que a santificam as pessoas que a bebem, mas sim as que trazem a esperança de encontrar um amor-perfeito, uma alma de bondade, de luz e onde aprendam a distribuir por todos a paz, aquela paz que todos procuram e muitos não a conseguem encontrar.
Desequilíbrio na mente das pessoas que vos tentam e não vos respeitam. Passai à frente e não temais. Temer é sofrer, não permitais que tal sofrimento vos causem, segui passo a passo. Eu sei que é custoso, mas vós tendes força para conseguir ultrapassar todos aqueles que vos querem fazer mal.
O livro se abre e se vira página a página e nele encontrais as palavras mais belas, as palavras que vos dão força e as palavras aonde se encontra tudo, tudo como uma grande fortaleza. As folhas se despegam das árvores, o tronco vai ficando, assim nascem novamente e elas vão esvoaçando, assim será como vós, deixai esvoaçar essas folhas, folhas essas estão velhas. Folhas, não as queiram agarrar, deixai-as partir, ficai seguros ao tronco. O tronco é a natureza, é que vos dá força e alegria e de partilhar o sentimento e deixar com que elas não voltem atrás. Olhai sempre em frente e nunca percam a esperança. Façam como eu fiz, o sofrimento não é o suficiente para nos retirar a fé. Deixai essa fé permanecer na vossa alma. A força é maior quando a alma está limpa, nós conseguimos manter à semelhança dos outros aquilo que nós desejamos sempre ter que é a força divina, o amor que temos para distribuir e aquele que queremos fazer chegar a todos aqueles que nos acompanham.
Vos deixo ficar com amor e que vós podeis partir na esperança de encontrar sempre um caminho aberto e vos deixar seguir em frente e nunca vos tentarem fechar os portões, nem vos deixar agarrar naquilo que vocês tanto desejavam que fosse doutra forma, mas deixai ficar de fora e caminhai, caminhai em frente, o vosso lugar será sempre aceite por nós e olhamos nós daqui por todos aqueles que vos tentam fechar as portas e não vos deixar entrar. Entrai por esse caminho e conseguis ver a luz diante dos vossos olhos que vos ilumina e que vos dá força e que vos deixa sempre uma paz de espirito, aquela paz com que vós tendes que conseguir viver, para que consigam passar a todos aqueles que vos querem bem e que vós consigais acompanhar. Ficai com o Pai, eu vos deixo em paz e que a minha paz seja a que vai permanecer na vossa alma e que vos consiga abrir o caminho da luz. Eu sou Torcato. (060811)       

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

São Torcato - De mim fizeram tudo o que puderam para me testar

Um homem exemplar. De mim fizeram tudo o que puderam para me testar, tive o meu reinado poderoso e constante, porém com ele sempre fui ajudado pelo meu semelhante, fui nobre, fui pecador, como todos nós o somos, mas o arrependimento e a dor me levou ao encontro do Senhor. Ele foi o meu salvador, que me salvou no momento da minha dor, arrependimento, assim hoje estou aqui para que todos possam ver o quanto eu tive que sofrer, dado foi o momento, em que eu fiquei para que todos me pudessem ver.
Longe estou e perto me torno para todos aqueles que aqui vêm, são muitos os peregrinos, precisam de vir e todos vêm só com um propósito de pedir. Tenho trabalhado muito, a servir os que necessitam, porém todos precisam de orar e de se redimir de todos pecados que possam ter. É difícil, eu sei, e não vos deveis arrepender, segui sempre em frente, parecendo que não, todos nós vos estamos a ver, estamos sempre presentes no vosso caminhar, na vossa dor, no vosso sofrer, não podemos é atender a todos os vossos pedidos, são muitos, vamos procurando servir aqueles que estão mais aflitos.
Assim vocês aqui estiveram num lugar em que já cá estiveram várias vezes. Uns começar de pequenos, os outros mais tarde aqui vieram para lembrar tudo daquilo que foram ajudados pelo Alto, é o Senhor Supremo! Bendito sejam todos aqueles que o procuram para poder chegar a ajuda do que precisam. Venham caminhantes, venham todos que eu estou sempre, sempre a poder ajudar a necessidades e todos aqueles que precisam.
Eu sou o São Torcato, o que dizem de bendito, eu estou aqui para partilhar com os aflitos. Aflitos todos nós somos, desde o nascer ao partir, aventurados sejam aqueles que partem e os que ficam que saibam pedir por todos aqueles que partem e todos aqueles que onde vir. Irmãos somos todos desde o nascer ao morrer, partilhai com os outros a divindade, o amor, a caridade. Assim serão julgados pelo bem que possam fazer, testados pela dor e por tudo que Deus possa dar. Tudo é bom mas não tendes o direito de julgar.
A repassar aos outros o teu pedido, será feito e vais ser ajudado. O (…) te será dado, mas tem cuidado, porque aqueles maus pensamentos existem na mente, ainda não lhe foram retirados. Existe sempre pensamento de matar, matar, mas do Alto iremos ser ajudados. Encontro, poderás ter e para isso terás de ter cuidado. Esta irmã que está (…) é uma prova que tem que passar, mais um salto ela vai dar. Prova das provas, esta, ela vai passar e tudo se vai acalmar, mesmo assim terá que ter cuidado e tudo vai ficar arrumado.
É mais uma das coisas que poderão ficar já arrumadas. Assim seja e abençoados todos aqueles que acreditam, é preciso orar, mesmo por aqueles que estão sempre a pensar no pior que onde fazer, orai por esses, orai por esses e nunca, nunca vos abstenham de orar por esses que precisam e que nem com Deus sabem falar. Orai a oração que vos podem ajudar a todos os que precisam, são muitos, muitos os aflitos que não sabem nem pedir, não sabem por aquilo que estão a passar, que são os pecados da maldade que os fazem sofrer. Estão sempre a pensar no que onde fazer de mal, para que os outros também possam sofrer de igual para igual.
Assim por isto mesmo é que precisam da oração, para que sejam perdoados, porque tudo quanto eles pedem não lhes é dado oportunidade sem que primeiro perdoar a quem tanto mal querem e sem nunca lhes ter feito nada que eles possam ter tanta dor. Assim vamos orar e pedir por todos com muito amor, vamos ajudar e pedir do fundo da alma ao Senhor por todos aqueles que precisam e que não sabem pedir com amor. Ajuda Senhor. Ajudai Senhor aqueles que tanto precisam, ajudai, ajudai e nunca vos esqueceis de ajudar. Deus vos oiça, vos ajude para poderdes ajudar. (130107)

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Jacinta - Sentimento de culpa, não é fácil viver com ele

Sentimento de culpa, não é fácil viver com ele. Poder passar e caminhar sem olhar e deixar ficar a quem possais divulgar. São as palavras que vos deixo, aquelas que tentam vos tirar e vos deixar ficar sem aquilo que tanto vos tem custado. A divulgar são as palavras que eu vos ensino e que eu vos dou e neste momento, aqui estou eu a vos contemplar com palavras difíceis mas que vos vão ajudar a podereis caminhar mesmo que sejam palavras, essas que tão difíceis são de entender, mas são aquelas palavras que vós, passo a passo vão poder dar a entender aos outros aquilo que tanto vos custam e que vos fazem sofrer.
Caminhai na esperança de encontrar o momento certo para que possais passar tudo isto que eu vos deixo e não as deixais cair em pleno deserto. Aqui estou perante vós mais uma vez a vos dar a luz e a esperança de a acender e de a poder divulgar e passar por todos aqueles que vos acompanham e aonde vós ainda continuais a passar.
Caminhai em caminhos como este, só este caminho vos dá força para poderes contemplar, vos dá energia e vos dá sim, alegria de poderes viver e passar por todos aqueles que não vos querem deixar passar e regressar a este meio para poderes olhar e contemplar a graça que vem do alto e passo a passo vos deixar ficar com a fé que tendes e arranjar ainda fé para poderes distribuir por aqueles que vos possam e que vos queiram ouvir.
Parti em oração e deixai ficar a vossa, distribui como eu por palavras e olhai como eu com amor, assim são aquelas as palavras da ordem que vêm e que vão e que só nós as podemos ensinar e partilhar por vós para que as possais dar a entender a quem em vós acreditam. Jacinta (300711)

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Angélico – A profilaxia da vida é a corrente que nos leva à sabedoria divina

A profilaxia da vida é a corrente que nos leva à sabedoria divina, que nos ilumina e que nos dá força, nos compõe e nos abastece das forças e nos deixa subir degrau a degrau até conseguirmos chegar aonde nós esperamos um dia chegar. Subir, subir todos nós o queremos, descer, descer ninguém o suporta. São preciso, muitas batalhas para que nós conseguisse-mos ultrapassar toda essa força que vem e que nos causa um mau estar. São forças que vêm e vão. É preciso estarmos sempre presentes para que nós consigamos ultrapassar e desvia-las para bem longe onde não nos consigam manter sempre prisioneiras dessas forças. Seremos nós capazes de poder ultrapassar e vigiarmos a nossa corrente, aquela que muitos querem e esperam um dia nos conseguir atrapalhar para que nós não consigamos andar sempre em frente como temos andado.
Mensagens, estas, que vão passando e vão ficando sempre na esperança de que possamos levar em mensagem aos outros para que possamos com isto tudo o que vos deixo é ajudar. Somos nós capazes de podermos fazer com que os outros o possam entender, mereçam ou não, teremos sempre que as divulgar e as deixar passar e chegam elas a tantos e tantos lugares, onde muitos estão à espera. Uns aceitam, outros nem por isso, mas não os podemos julgar, estaremos sempre prontos para as deixar ficar, que alguma delas irão deixar um bocado da nossa presença, para que possam acreditar que tudo o que nós os ensinamos, os ensina a caminhar e a levar a um belo, belo lugar. Seremos capazes de um dia os encontrar e lhes perguntar o porquê de se encontrar no mesmo lugar.
Perguntamos, e a resposta é simples, dizendo o lugar foi aquele que nós escolhemos, aquele que fomos ouvindo, acreditando, e aqui estamos nós, presente no mesmo que vós, merecemos aqui estar, porque a partir do dia em que ouvimos e lemos, mudamos a nossa corrente para a corrente que nos faz acompanhar e nos dá a força daquela que nós tanto precisamos de levar. É a mesma força que vós precisais, a força de caminhar, de orar por nós e por os demais. São palavras que vos deixo ficar, jovem, sou, e deixei tudo ficar, com muitas coisas ainda por escrever, com muito ainda para deixar, assim como não consegui, aqui as menciono e as deixo ficar para todos aqueles que me estão a ouvir e aqueles que me acreditaram, os que me ajudaram, os que deixei ficar, os que partiram e ainda estão para partir, os que sofreram e ainda continuam a sofrer. Assim deste mesmo lugar onde me encontro, e onde me ajudam a caminhar, vos deixo ficar para que possais um dia me deixar orar convosco e aproximar- me mais de vós.
Sou muito jovem, como disse, mas creio em tudo que apresento. Deixei com muita pena, mas culpa minha, continuo a dizer, culpa minha. E neste lugar eu continuo a pensar, que mal fiz eu, mas só o Pai sabe, foi o que eu mereci, foi aquilo que me sucedeu, velocidade, velocidade, velocidade, e aqui estou eu, mas peço por tudo para que orem, para que eu me sinta seguro, já que não consegui a segurança aí, a consiga neste lado, junto daqueles que me ajudam e que me querem levar para um canto melhor onde me possa encontrar e orar e pensar que poderia ter feito melhor. Aqui no lugar onde estou, vou conseguir fazer e dar a entender a todos que me ouvem, que lugar melhor não existe e continuem a dar melhor daquilo que são e nunca se excedam como eu me excedi, depois não vale a pena estarmos a pensar que o mundo é feito de surpresas e a surpresa nos pode levar aonde me levou e não deixar chegar onde eu tanto queria chegar que era mostrar aos outros quem eu era e agora neste lado eu mostro quem sou. Angélico. (160711)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Padre Luís (1872/1957) – Quem a tem, tem-na muito bem guardada

Não adianta procurar. Quem a tem, tem-na muito bem guardada, mas nada consegue fazer. Poderão neste momento pensar se desfazer, mas não conseguem, não lhe podem mexer, o melhor que fazem é colocar no lugar que lhe foi dado aqui neste alto, aonde é o meu lugar de eleição, meu lugar sagrado.
Quem a levou, levou-a sem pensar no mau estar que lhe ia causar, sempre que lhe tocam, não consegue a derrubar, tem uma firmeza, tem uma dureza e tem demais a minha grande pureza que foi quem me ajudou e neste momento são aqueles que me querem destruir.
Eu não deixo de mostrar quem sou, não deixo de ajudar quem sempre ajudei, limitam-se só à minha presença, mas aonde está aquela imagem, que tinham de mim? E o porquê, quererem-se ver livres de uma coisa que muitos se orgulhavam de ver, de me responder e me falar. Respondia para aqueles que me podiam ouvir e aqueles que não me ouviam, sentiam, porque a corrente é forte e faz com que o possam sentir.
Por esse mesmo motivo eu continuo a dizer: quem a levou, vai-se arrepender, momentos tristes virão, momentos em que não podem sequer ouvir, que deixaram de andar de ouvir e de falar, enquanto eu estiver aonde colocaram, irei sempre causar, não por mal, mas sim para lhes fazer sentir que mesmo aqui eu consigo os ouvir e sentir e dar-lhes o que eles merecem, o ensinamento, a dor, de tudo aquilo que me fizeram. Não gostei nada. Porquê? Eu pergunto porquê. Que mal eu podia fazer? Dinheiro? Não, de nada lhes serve. Maldade, aonde os levam? Então para que possam ser ensinados, eles vão sentir o quanto custa ser mal-amado.
Vou partilhar convosco o meu sofrimento, me deixaram neste momento com a dor, nunca pensei que pudessem fazer tão mal a quem eu tanto ajudei, mesmo assim, lhes desejo que sejam felizes, mas para isso vou-lhes fazer sentir que a felicidade só existe quando partilhada por todos aqueles que me dão alegria e um dia vão sentir a firmeza da vida, será dada e distribuída por todos aqueles que partilham comigo a sua bondade e a sua sabedoria.
Aqueles que mal fizerem serão sim punidos para que possam com a punição sentir a falta da oração. Quando orarem terão que pensar que a oração só será aceite quando tudo estiver no seu lugar. Enquanto isso não acontecer irei sempre, sempre permanecer e não os deixar ficar em paz. Lhes é dado sim, depois de obedecer e de colocar as coisas como são, todas no seu lugar. Será então dado a paz e abraça-los do mesmo modo que eu os abraço e desde que tudo corra como eu espero.
Não vos preocupeis, vós tendes o vosso lugar, os que mal fizerem terão o seu também, serão depois unidos desde que deixem ficar a maldade e se juntem no lugar daqueles que partilham a bondade e sigam o caminho da verdade, alimento da fé. Aquele que nos faz chegar e dá-nos força e sempre caminhos e correntes divinas, nos faz em chegar passo a passo a qualquer lugar, desde que nós o consigamos ultrapassar, será sempre presente que a oração nunca é demais.
Só nos resta é orar e pedir ao Pai que nos deixe chegar com o nosso amor e com a bondade que nos ensinou, nos continua a ensinar e a dar, para que consigamos também dar um pouco daquilo que nos dão. Tão barato é o amor fundado na fé, não é necessário pagar, mas sim, termos consciência daquilo que fazemos, daquilo que damos, daquilo que ajudamos e daquilo que vamos conseguindo distribuir pelos outros. A oração entra em qualquer coração, aceitá-la ou não, não depende de nós, de nós só vai a corrente que lhes serve de entrada a cada um se encontre com ela ainda fechada. Sou o padre Luís.
(…)
Não, só vos iria prejudicar e isso ia-vos causar um mau estar, deixem ficar, eu do meu lugar consigo ver e com a minha fé, eu vou tratar. Não vos incomodeis, deixem ficar. Sigam em frente, a surpresa será aquela que um dia eu vou partilhar convosco, agora neste momento vou ter que vos deixar e partir para o meu local de recolhimento. (160711)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Angélico Vieira – Tudo não passou de uma aventura com um fim trágico

Mais uma vez aqui estou eu, para vos visitar. Gostava tanto de brincar, de andar de baloiço, de jogar a bola, de saltar, pular, dançar, a minha nossa, como eu divertia-me com tanta alegria que eu sentia, e transmitia aos outros, para que eles pudessem comigo todos ficarem felizes. Eu vim mais uma vez, para mostrar e deixar ficar a minha alegria, e reparti-la com todos vós. Ainda hoje, oiço as pessoas a cantar e ficam felizes por me ouvir com a mesma doçura que me ouviam e com a mesma alegria sentiam, sentem o mesmo. Estou triste por vos ter deixado, não soube lidar com a situação e mal posso falar no que me aconteceu, e peço perdão aquém me acompanhou, por os ter deixado ficar naquela situação.
O doutor F... é ele que os trata e vai os deixar ficar bem e quando saírem, irão começar uma nova vida. Tudo tem um principio e um fim, o meu chegou e o vosso continua. Olhem para mim, que eu vos sirva de exemplo, não cometam o mesmo erro que eu cometi, queria tudo e tudo perdi.
Tudo não passou de uma aventura com um fim trágico, o que me levou à sepultura. Venho pedir para que orem, para que orem por mim, todos juntos, eu possa conseguir sorrir como sorria, e ser amado como sempre fui por vós. Muitos de vós ainda estais revoltados por eu vos ter deixado. Bem sei que não é fácil ultrapassar este momento, mas vos peço que tenhais coragem e sigam o vosso pensamento. Orem por mim, é o que eu preciso neste momento de dor e de sofrimento. A pedir por vós e vós por mim, preciso de entrar e passar este lugar de oração, para outro onde me esperam e onde penso conseguir entrar.
Me trouxeram aqui para pedir a oração, e que vós a possais pedir e orar ao Pai para que eu possa conseguir chegar, e entrar dentro do lugar onde eu possa caminhar e ser feliz. Tenho-vos visitado, preciso da oração e deixar ficar, só a lembrança, que era bom para que esqueçam tudo aquilo que se passou. Continuem a cantar, continuem a ouvir, isso faz bem, mas deixem-me também partir. Peço que orem, e todos aqueles que comigo andavam me deixem sentir a paz, para que eu possa partir.
Eu sou Angélico, Angélico Vieira. Preciso que me acompanhem em oração.
(…)
Loucura da juventude, andar e sentir só velocidade não nos leva a lado nenhum, só nos pode levar aonde me levou. Tenham cuidado porque tudo, tudo tem princípio e um fim. O meu chegou. Deixei ficar todos os meus sonhos de conquistar multidões. Só isso.
(…)
Passando estas colinas eu vou deixar, eu vou subir outra mais alta e de lá eu vou conseguir ver ainda mais. Eu vou acompanhado por alguns dos meus familiares, que cá se encontravam e me vieram buscar. (100711)

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Padre Américo – Que a fonte divina seja a luz que vos ilumine

Que a fonte divina seja a luz que vos ilumine, e a corrente que vos trouxe seja tão forte como a minha, que vos ajude a ajudar a caminhar, e a poder dar aos outros a coragem, o amor e a segurança.
A vida é feita com pouca coisa, basta amar e sentir-nos amados por todos aqueles que nos amam, e sejam todos por mim abençoados os que entram e saem, serão sempre acompanhados.
A minha presença estará sempre do vosso lado para vos abençoar e ajudar aqueles que mais necessitam. Sejam portanto a corrente que passa e que deixa ficar as sementes para os outros a poderem semear.
É esta a mensagem que tenho para vos dar, são palavras de conforto, de amor e ternura e vos ajudar para que possais caminhar seguros na corrente que eu vos deixo ficar, e vos iluminar com ela o vosso pensamento, a vossa pureza e vos deixar seguir com amor, alegria e vos dar a corrente que vos faz partilhar com todos aqueles que vos seguem, e ajudar a todos aqueles que queiram ser ajudados.
Ouvi portanto, tudo aquilo que eu vos deixo, que é o amor. (100711)

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Angélico Vieira - Loucura de viver rápido demais

Parti. Uma partida muito rápida, aonde deixei ficar todos os meus sonhos por realizar. Deixei um mundo e encontro-me noutro, com grandes colinas douradas, aonde o sol nos transmite muita luz. Deixei ficar uns a chorar, e outros a sorrir. Tantas alegrias dei, e parti, sem nada dizer a quem me queriam com tanto amor, que de um momento para o outro as deixei a sofrer.
Agora subi e me encontro entre estas colinas, com muitos, muitos, muitos, uma imensidão de gente, aonde todos me apoiam, me ajudam, e me tentam fazer esquecer por tudo aquilo que eu passei. Não é fácil chegar aonde eu cheguei e ter ajuda que tenho. Neste momento, preciso de trabalhar e de mostrar que vou ser um membro desta família.
O meu tempo aqui nestas colinas é muito, muito pouco, resta-me só dizer que parti sem saber, pensando eu que tudo era a força, a alegria, e assim parti, num só momento ainda vi e senti muitos se aproximarem de mim, aonde nem todas as orações são aquelas que nos conduzem à vida. Precisamos de muitas, de tantas quanto aquelas que eu senti.
Aqui, preciso só que orem por mim para eu conseguir ultrapassar a colina e que estes meus amigos aonde me encontro, me possam ajudar a continuar o meu caminho. Deixei ficar para trás os sonhos, a alegria e uma vida pouco vivida. Eu estou ainda há pouco tempo, tenho muito para fazer, obedecer, aprender a amar e aprender a orar. Mais tarde eu vos possa também ajudar.
Quero só dizer, que tive uma morte difícil e causei muita dor aos meus pais e aos outros, muita dor sem merecerem, mas fui eu, o grande causador. Tenho que orar e pedir ao Pai que nos liberte e nos perdoe e que eu possa continuar a ser lembrado, amado, e que o meu espirito seja aceite por todos nós que nos encontramos aqui, muitos já vi partir.
Loucura de viver rápido demais, só duma loucura. Eu vos peço, que continueis a orar.
(…)
- Angélico Vieira. Parti.
(…)
Horroroso.
(…)
Mal haveria de chegar a fúria e mostrar aos outros como era bom sentir a adrenalina da velocidade, foi isso. Não consegui dominar. Muita velocidade. Conseguir despertar um modo de andar diferente daquilo que estavam habituados a andar. Parti e não os pude ajudar. Era o momento único, aquele em que eu ia a cantar.
(…)
Ia bem acordado, mas queria, mais, mais e mais. Era uma boa estrada. Não consegui dominar. Bati com tanta força, tanta força, cambalhotas, dei e chegou, tudo aquilo que deixei. Sofrimentos a todos causei.
(…)
Muita velocidade. A pressa de chegar. Adrenalina do palco, a multidão, e mostrar a minha fúria de viver, de cantar.
(…)
Eram, vinham outros, mas deixaram-me vir para que eu pudesse falar e deixar ficar a mensagem para mostrar àqueles que ainda estão a pensar como é que foi a minha partida e juntarem dados e mais dados, quando é tão simples. Foi só velocidade.
(…)
Era, quanto mais andava, mais nos apetecia andar, e ficou tudo aí, e eu parti, para as colinas deste belo lugar, me trouxeram para mostrar: temos um tempo, esse tempo, ou sabemos aproveitar e viver como nos ensinam, ou passando dos limites partimos e só deixamos ficar a saudade para aqueles que mais gostam de nós.
(…)
Eu cheguei ao limite quanto o carro podia dar, foi duzentos e vinte. Grande estrondo senti, e deixei ficar tudo naquele lugar.
(…)
A luz do alto é um sinal de presença dos que caminham.
Continuem a cantar as canções que eu deixei ficar, isso me faz bem ouvir, me faz lembrar e sorrir. (030711)